“Não queremos morrer mais”: 12 dias de viagem pelo rio para se vacinar contra o coronavírus

Nas profundezas da Amazônia brasileira , Pixi Isma e Kunnin viajaram por 12 dias, junto com outros 35 indígenas Matis, de suas aldeias às margens do rio Branco, afluente do Amazonas, até Atalaia do Norte, a cidade mais próxima, pela sola propósito de ser vacinado.

Nas profundezas da Amazônia brasileira , Pixi Isma e Kunnin viajaram por 12 dias, junto com outros 35 indígenas Matis, de suas aldeias às margens do rio Branco, afluente do Amazonas, até Atalaia do Norte, a cidade mais próxima, pela sola propósito de ser vacinado.

Em barcaças cobertas, para se proteger da chuva durante a viagem, famílias Matis que saíram de suas “malocas” (casas) na fronteira com Colômbia e Peru, subiram o rio Javari até chegarem a Atalaia do Norte e tomarem já a segunda dose que as equipes de vacinação não cheguem às suas aldeias.

Indígenas Matis do Brasil durante um dia de caça (EFE).

Quando as autoridades brasileiras foram dar as vacinas, alguns dos homens estavam na selva caçando com arcos, flechas e zarabatanas , ou nos rios pescando para levar comida às “malocas” onde moram com suas famílias.

Lá, as mulheres trabalham na chácara, a fazenda onde cultivam hortaliças e frutas, e tecem suas casas, cestos, pratos e redes à mão e com folhas de caraná.

“NÃO QUEREMOS MORRER MAIS”

“No começo quando saiu a vacina tínhamos medo. Aí vimos que outros índios de outras regiões tomaram a vacina e a gente teve coragem. Nosso povo diminuiu, não queremos morrer mais, são apenas 600 deixou em todo o vale do Javari “, explica Pixi Isma.

Índios Matis do Brasil durante um dia de caça em Atalaya do Norte (Brasil) (EFE).

Depois da longa travessia do rio, e do aparecimento repentino em Tabatinga, cidade na fronteira com a Colômbia, em busca de vacinas, os Matis estão presos em Atalaia do Norte com outras etnias porque não têm gasolina nem dinheiro para voltar às suas aldeias.

“A gente não tem comida, não tem gasolina, a Funai não tem como ajudar, ninguém ajuda, queremos voltar para as nossas aldeias, alguns vieram para se vacinar, outros para consertar documentação”, afirma. Kunnin, um porta-voz de sua comunidade, sobre sua situação precária.

Alguns vendem artesanato, mas com isso ganham apenas de 10 a 50 reais (1,8 a 9 dólares).

Estruturas de palafitas em Atalaya do Norte (Brasil) (EFE).

Luciano Rodríguez Kanamaris, pescador movido pela situação dos índios, os recebe diariamente em sua jangada e oferece a eles algo do que conquistou durante o dia. “Não tenho muito para dar a eles, mas ajudo-os no máximo que posso , eles estão aqui, tomam banho aqui, a gente compartilha e rimos um pouco”, diz.

A IMPORTÂNCIA DAS TRADIÇÕES

As crianças Matis passam o tempo brincando no rio e pulando entre as barcaças atracadas na costa. O filho de Kunnin, Marke, tem 16 anos e acaba de receber seu primeiro “paut”, um ornamento que está embutido em um dos lóbulos da orelha e representa sua posição na família.

Demorará alguns anos para que o nariz seja perfurado com duas fibras pretas de palmeira que simbolizam os primeiros pelos que aparecem no rosto dos mamíferos: “demush” e “vibrissa”. Quando essa hora chegar, Marke não gostará mais de brincar na Amazônia com outras crianças.

Os indígenas Matis fazem pinturas cerimoniais em seus corpos (EFE).

Para que essas crianças possam exibir no nariz o “septão” e a “tira”, feita da parte mais plana de uma concha de caracol , no lóbulo da orelha como Pixi Isma, elas devem atingir a maturidade média.

Os rituais dos matis são tão importantes quanto as tarefas diárias. Eles dão um sentimento de pertença e posição na tribo e falam da maturidade de seus membros, as coisas que se esperam deles e suas obrigações; também de orgulho e hierarquia.

Só aos 19 anos é que homens e mulheres modificaram quase inteiramente seus corpos, deram-lhes feitiços e proteções com a “musha”, uma tatuagem de seis linhas em suas bochechas que representa o cabelo e a força do jaguar.

Indígenas Matis durante um dia de caça ao jacaré em Atalaya do Norte (Brasil) (EFE).

Duas outras no templo simbolizam os caminhos que devem percorrer e mais duas na testa, que são o rio Amazonas e seus afluentes, são linhas que os orientam para que não se percam e possam sempre retornar às suas aldeias.

PASSOS PARA OCULTAR

“Historicamente, os povos indígenas do Javari não viviam nas margens dos grandes rios, viviam no fundo do território, mas quanto mais contato, mais próximos ficavam do rio para continuar a trocas e vendas”, explica o antropólogo Thiago Arruda Ribeiro, da Universidade Federal de Santa Catarina.

Com o passar do tempo, os matis foram sendo vistos cada vez mais e começaram a dominar os barcos a motor, embora ainda seja incomum vê-los nos centros urbanos.

Índios Matis do Brasil em um barco improvisado (EFE).

“Nem sempre vêm, às vezes vão comprar ferramentas para caçar e pescar. Vêm, compram e voltam, não ficam na cidade”, diz Ribeiro, que vê “muito importante” que decidiram vir para Atalaia “porque mostra que eles têm interesse em se vacinar, o que parece óbvio, mas não é, pois em muitos lugares os indígenas tinham medo da vacina”.

Indígenas Matis preparando crocodilos para sua alimentação (EFE).

Os Matis foram contatados pela primeira vez no final de 1976 , durante a construção do perímetro norte, estrada com a qual se pretendia ligar a Amazônia brasileira, obra que não foi concluída, mas que causou um impacto devastador nesta cidade. , já que 3% deles morreram de epidemias de malária, sarampo ou gripe.

Apesar de ameaças de todos os tipos, os Matis resistem e permanecem imunes ao covid-19, já que até o momento nenhum caso foi registrado em suas aldeias .

Acompanhe a matéria original em espanhol: https://www.clarin.com/viste/-queremos-morir-12-dias-viajando-rio-vacunarse-coronavirus_0_D74wxyZMR.html